Contos Eróticos

[CONTOS ERÓTICOS | +18] A RUIVA DO METRÔ

Escrito por LoveCenter
Compartilhar
[CONTOS ERÓTICOS | +18] A RUIVA DO METRÔ

Era só mais um final de tarde comum. A noite já acariciava os prédios de São Paulo e eu,
como sempre, distraído, passava os olhos pelo telefone enquanto esperava o metrô. Dois
passos à frente e resolvo olhar para o lado, sem querer acabo esbarrando em alguém.
-Desculpa!
-Não, imagina moço, a culpa foi minha.

Disse a ruiva arrumando o cabelo atrás da orelha e curvando o olhar tímido, enquanto a luz
da estação ressaltava as sardas em sua face, que mais pareciam gotas de chuva em um botão
de rosa branca. Entramos no vagão e era como se pudessem explodir uma bomba ao meu
lado que mesmo assim eu não ligaria. Eu já estava hipnotizado pela moça com a inocência
mais perversa que eu conheci em toda a minha vida.
– Então, o que você faz da vida? Perguntou.
– Escritor, respondi.
– Nossa, nunca conheci um Escritor, que legal. E escreve sobre o que?
– Sobre o que eu vivo. Ou sobre experiências que eu gostaria de ter vivido. E você o que faz
da vida?
– Me deixou curiosa agora. Eu estudo enfermagem. Estou no 5º semestre.
– Hm, Enfermeira? Quer dizer que gosta de cuidar das pessoas?
– Gosto. Disse ela, mais uma vez arrumando os fios atrás do ouvido.

Perguntei se era solteira e ela me respondeu que sim, retribuindo o questionamento. Fiz
sinal de positivo com a cabeça. O ar do ambiente estava gelado, mas o meu sangue corria tão
quente quanto a cor madeixas da chapeuzinho vermelho, que de ingênua só tinha a risada.
– Está indo pra casa?
– Sim, eu disse. Mas estou a fim de uma cerveja. Topa?
– Pode ser! Quem sabe eu não me torne inspiração para um texto seu? Em meio a
gargalhadas desconfiadas.

Já havia escurecido. Descemos na estação da Consolação e seguimos até o bar mais
próximo. 2 cervejas depois e muita conversa jogada fora, ela me indaga:
– Qual o seu nome? Ainda não perguntei isso. Estou na rua com um desconhecido!
– Lúcio, prazer! E o seu? Espera, deixa eu adivinhar. Antônia? Seus olhos estão me dizendo
que você se chama Antônia. Acertei?
– Não, Lívia. Também acho Antônia bonito, mas me chamo Lívia, respondeu com um sorriso.
Curvou os ombros sobre a mesa, virou o copo de cerveja em um gole e me indagou:
– E ai escritor? O que mais meus olhos te contaram?
Agora toda a inocência já havia descido goela abaixo, junto com a bebida, e era ela quem me
comia com os olhos.
Respondi com a mão na nuca e a minha língua na dela, brincando de provocar o instinto
animal que estava dormindo naquele corpo até então.
– Vamos para outro lugar que eu te conto.

O tesão já marcava a minha calça e não tínhamos mais pra onde escapar. Enquanto nos
amassávamos, tropeçando nas cadeiras do estabelecimento, entramos no banheiro feminino
e ela trancou a porta na mesma velocidade em que abriu meu zíper e abocanhou meu pau,
sedenta. Peguei-a por um punhado de cabelos e a levantei com os braços, enquanto a
escorava na gélida parede de azulejos brancos que se confundia em meio a sua cor.

Resultado de imagem para RED HEAD SEX BATHROOM
A saia preta preferiu não atrapalhar e caiu sozinha enquanto eu apertava seu seio esquerdo
e chupava o outro fugidos de um decote cavado. Em seguida, adentrei-a sua caverna doce e
úmida com a minha boca enquanto ela gemia e apertava minha mão tão forte que as unhas
chegaram a rasgar a minha pele. Coloquei-a sentava sobre o meu colo, sem tirar o sapato. Ela
se movimentava como uma exímia amazona. Vai e vem, na engrenagem perfeita do meu
movimento com o dela. Era como se atrás daquela porta, tivéssemos deixado todos os
problemas, o pudor e todas as gentilezas.

– Me fode, me fode gostoso. Vai, não para. Ela sussurrava quente ao pé do meu ouvido ao
mesmo tempo em que suas unhas abriam caminho pelas minhas costas.
Eu a levantei sobre o meu corpo. 1, 2, 3, 4, 5, 6. Era encantadora a forma como ela explodia
de prazer. Gozamos de forma tão prazerosa que acabamos perdendo o equilíbrio e caímos
sentados no chão. Com o peito já suado, minha corrente de prata contrastava com o
vermelho suave do cabelo dela. Era como se fosse o sol batendo na janela qualquer de um
prédio. O final da tarde que morava no corpo dela esvaiu toda a minha energia.

Nos limpamos, saímos dali e pagamos a conta. Ainda meio amarrotados, ela me deu um beijo
de despedida, sacou um sobretudo da bolsa e foi embora, envolta pelo casaco como se ele
fosse a própria noite. Negou-se a me dar o telefone ou esboçar qualquer sorriso que pudesse
me convidar para qualquer outra coisa, mesmo a contra gosto da dona. A enfermeira sabia a
doze certa para anestesiar aliviar o desejo e tornar o pouco de saudade que ela havia
deixado em veneno.

Nunca mais a encontrei por aí, mesmo passando pela estação sempre que possível. Talvez ela
só quisesse algumas páginas dos meus cadernos. E quem sabe, ela fosse mais má e atriz que
o lobo esperto que eu sempre me gabei de ser.

 

LEIA TAMBÉM: MÉNAGE COM ELES
http://www.bloglovecenter.com.br/conto-erotico-menage-com-eles/

ou nas lojas
Loja 1 | Av. Pres. Tancredo Neves, 900 | Ipiranga | SP
tel.: 11 2063-9299

Loja 2 | Av. dos Bandeirantes, 4969 | V. Olímpia | SP
tel.: 11 2619-0807

#estimulante #excitante #sexoroal #gelqueesquenta #excitação#esquenta #gelparamassagem #massagem #lubrificante #lubrifica#vasodilatador #sexo #masturbacao #brincadeiraseroticas #preliminares#brincadeira #sextoys #brinquedoseroticos #sexshop #lovecenter#sexshoplovecenter #eroticmarket #sexoadois #prazeradois #casal#brincadeirasdecasal #masturbação #fantasias #lingeries #jogos

fonte: http://superela.com

Compartilhar

Sobre o autor

LoveCenter

Loja de acessórios adultos, 22 anos de mercado. Visite nossa webstore (www.lovecenter.com.br) ou uma de nossas unidades -
LOJA 1 Av. Presidente Tancredo Neves, 900 Ipiranga - São Paulo - SP CEP: 04287-010 Fone: (11) 2063-9299
LOJA 2 Av. dos Bandeirantes, 4969 Vila Olimpia - São Paulo - SP CEP: 04071-0111 Fone: (11) 2619-0807

Comente

Receba as Novidades

Compre pelo Celular